Estrelas da música pop são totalmente parte da “máquina de entretenimento”, e muitas vezes têm familiares que atuam mais como manipuladores. Britney Spears, Amy Winehouse e Michael Jackson são casos interessantes sobre esse tipo de relacionamento. Há 5 anos atrás, um artigo do NY Post sobre Lady Gaga revelava que ela também tem uma relação muito estranha com seu pai. 

Ele teria a transformado em uma “rainha sexy” e ela compartilha 50% de sua receita com ele. Embora o artigo traça um retrato comovente da sua relação, alguns detalhes são bastante inquietantes de que algo mais obscuro acontecendo. Ele é seu manipulador? Seja qual for o caso, ela é outra estrela pop com uma relação estranha com seus pais.


Lady Gaga dá 50% do seu salário ao pai

Como é que a maior estrela pop do planeta se recompensa depois de passar o último ano em turnê pelo mundo, cantando para o ex-presidente Bill Clinton, abrindo sua própria boutique em Barneys, lançando um livro de imagens de alta moda, e se preparando para a sua aparição no “Dick Clark’s New Year’s Rockin’ Eve”?

Se você é Lady Gaga, você vai para casa de mamãe e papai e enrosca-se em seu quarto de infância na Upper West Side – que é o que ela planeja fazer neste fim de semana do feriado enquanto seu especial da ABC de Ação de Graças passa na quinta-feira.

“Ela ainda não tem sua própria casa na cidade”, disse um amigo de longa data ao Post. “Ela e sua família são muito próximos.”

Velhos tempos: a futura estrela em um baile do colégio com seu pai em 2004

É seu grande paradoxo: Aos 25 anos, Lady Gaga pode ser a cantora mais à frente de seu tempo da década passada, uma auto-ungida rainha dos malucos que reinventa-se com rigor, ainda assim ela continua uma muito uma boa menina católica, que fica mais confortável com a irmã Natali de 19 anos de idade, a mãe Cynthia e o pai Joe – que leva uns 50% dos ganhos de suas empresas.

Ela também comprou um restaurante, um dos favoritos de seu pai no Upper West Side. Anteriormente conhecido como Vince&Eddie’s, que foi renomeado de Joanne após sua irmã falecer . A celebridade chefe Art Smith, que aparece no Ação de Graças de Gaga, está no comando.

Mas uma divisão de 50/50 entre Gaga e seu pai que é mais incomum. Há apenas um outro desse tipo na história da indústria da música – entre Elvis e Col. Tom Parker.
“Não há realmente nenhum sentido justificável a fazer um acordo 50/50 com qualquer um em sua carreira, que não seja algum parceiro de sua banda”, diz Josh Grier, advogado de entretenimento que representa Wilco e Elvis Costello, entre outros. “Certamente, nenhum artista entrando em um acordo de gestão faz algo próximo a isso – uma comissão é geralmente de 15 a 20 por cento.”
Dito isto, é bem possível que Lady Gaga, nascida Stefani Germanotta, acredita que seu pai ganhou a sua parte de sua fortuna, apesar de seu sucesso ter lhe permitido realizar um sonho ao longo da vida: Ele agora trabalha na indústria, em gestão de novos artistas. No entanto, ela provavelmente vê isso como mais uma prova de como eles são semelhantes; sua adoração é incondicional. Em janeiro de 2010, ela disse à revista Elle: “Eu sou casada com meu pai”, e em setembro ela disse a Vanity Fair: “Estou mais feliz do que eu já estive. Eu estive nos braços de meu pai por duas semanas, desejando a [ele] Feliz Dia dos Pais. “

Na maioria de suas entrevistas, seu pai é – além de si mesma – o personagem mais dominante. Embora Gaga tenha dado versões alternativas de sua decisão de parar de usar cocaína em 2007, a mais consistente é que Joe Germanotta friamente avaliou a trajetória de queda de sua filha com uma linha devastadora: “Ele olhou para mim um dia e disse: “Você está ferrada, garota,” disse ela.

Joe Germanotta cresceu em Nova Jersey, fanático por um rock n’ roll que amava Led Zeppelin e Billy Joel e que talvez compartilhou isso demais com sua filha ao longo da vida: “Ele estava fazendo sexo com garotas menores no calçadão em Nova Jersey antes de ir ver Bruce Springsteen,“ disse Gaga em julho. “Ele viu um monte de si mesmo em mim. Meu primeiro professor de piano foi um stripper. “

Embora os amigos descrevam Gaga como igualmente próxima de sua mãe, extrovertida e elegante, seu relacionamento primário parece estar com seu pai. Joe Germanotta era um roqueiro frustrado que fez fortuna no hotel Wi-Fi, tornando-se rico o suficiente para comprar um duplex no Upper West Side e enviar suas filhas para o Convento do Sagrado Coração (médias anuais de $ 35.000).

CARNE E SANGUE: Pals diz que quando Gaga ficou rica, o pai Joe ficou muito tranquilo com seu estilo ultrajante e hiper-sexy

Embora em muitos aspectos, seja um altamente tradicional católico ítalo-americano, Joe também foi um patriarca progressivo e permissivo. Quando sua filha anunciou seu objetivo de carreira – o estrelato pop em todo o mundo – ele não zombou ou mesmo sugeriu um plano de backup. Ele usou seu dinheiro e conexões para contratar os melhores produtores, reservava tempo de estúdio para uma demo, e para fazer com que Stefani conseguisse contrato com os executivos.

Em 2005, quando decidiu abandonar a NYU em seu ano de caloura, Joe concordou em bancá-la por 12 meses, pagando aluguel em seu quinto andar no Lower East Side e transportar seus móveis subindo as escadas.
“Ele é meu herói”, ela disse.
Foi lá no Lower East Side, onde conheceu o único homem que competiu com seu pai: Luc Carl, um barman e um fracassado músico heavy-metal que é o tema de quase todas as músicas em sua estréia multiplatinada, o (disco) “The Fame”.

Na época, o poder dinâmico foi revertido: Stefani foi uma menina patricinha, protegida e rica da Upper West Side cujo ídolo teen foi Britney Spears, Luc foi um dos bartenders mais bonitos no Lower East Side, marcado em todas as festas e pessoas, contratado para atrair as meninas para o mergulho que foi St. Jerome’s e mantê-las voltando.

Na época, Stefani estava também atuando como uma dançarina burlesca em boates do centro e fazendo um olhar mais sexualmente provocativo, muitas vezes andando pela rua em fishnets, saltos altos e maquiagem pesada, confundida com uma prostituta ou uma transexual, não se importando de qualquer forma. Seu pai, no entanto, ficou estarrecido. Stefani disse a um amigo que seu pai havia a repreendido por usar a calcinha sobre a sua meia-calça para uma reunião de negócios da Sony: “Ele disse: ‘Você parece uma puta!'”

Quando ela começou a fazer progressos, Joe foi aparentemente influenciado pela afirmação de que sua filha fazia tudo em serviço de sua arte. Ele se tornou tão acostumado com figurino de sua filha que ele foi recentemente filmado em uma festa com o braço em torno de Gaga, que estava sem sutiã em um top sheer, com mamilos cobertos com fita isolante preta. Talvez o seu envolvimento na indústria seja responsável pela mudança de atitude. Desde 2008, Joe Germanotta tem trabalhado como um administrador de música, embora nenhum dos atos em sua grade ainda se quebraram. Sua filha mantém o seu investimento bem sucedido.

“O relacionamento deles melhorou definitivamente quando ela fez dinheiro“, diz uma fonte. “Isso ajudou substancialmente. Eu não sei se é saudável. Assim que ela começou a ganhar dinheiro, ele disse algo a ela como ‘Que homem não gostaria de você agora que você está se tornando tão bem sucedida? “

Luc Carl queria e não queria ela, mas ela o perseguiu, saindo por St. Jerome’s, o bar onde ele trabalhava, até que ela conseguiu um encontro. Foi uma realização duvidosa.

“Luc não gostava de música pop, então, basicamente, Luc não respeitaria qualquer coisa que ela fizesse”, seu amigo Brendan Sullivan, disse em 2010. Seus amigos estavam todos confusos a respeito dessa menina impulsionada e carismática estar perseguindo um cara que a tratou tão mal – traindo-a, zombando dela por não ser legal o suficiente, lamentando a sua ambição.

Eles separam-se e retornaram e romperam novamente e, finalmente, engenhosamente ela decidiu usar Luc, fazendo de sua relação totalmente disfuncional para o que se tornaria o “The Fame”.

“O conceito surgiu,” Sullivan disse, “é que ela está trabalhando duro em sua música para impressionar o cara, mas quanto mais ela trabalha com a música, mais ela vai levá-lo para longe dela. Então, ela ganha e perde de qualquer maneira. “

Luc Carl e Gaga se separaram – de novo – em maio deste ano, e embora ele se orgulha de nunca dar entrevistas, ele conseguiu monetizar com seu relacionamento. Sexta-feira passada, Carl sediou a abertura de Ludlow Manor, um bar de Lower East Side em que ele é co-proprietário, e em março de 2012, St. Martin Press vai publicar seu primeiro livro, um livro de memórias motivacional chamado “A dieta do bêbado: Como eu perdi 40 libras... Esgotado. “

Passada a amostra desagradável: “A verdade da questão é que eu usava conseguindo mais mulheres quando eu estava sem dinheiro, flácido e completamente esgotado o tempo todo – mas as mulheres eram descuidadas de 22 anos, o tipo de mulher que deitava em minha cama e pedia por um táxi pela manhã. Essas mulheres são conhecidas como cheeseburgers, que por sinal, elas estão para ser apreciadas apenas de vez em quando, assim como cheeseburgers reais."

Até seu mais recente término de relacionamento, Gaga ficava no apartamento modesto de Luc no Brooklyn sempre que ela estava na cidade, deixando a limusine fora toda a noite, passeando pelas esquinas, saudando o homem sem-teto que "deu a ela Bad Romance".

Em viagem para casa, ela vai estar com o outro homem mais importante e complicado em sua vida – seu pai. “Ninguém mais do que eu quer que o mundo seja feliz”, disse ela em julho, “Eu só quero que o meu pai se orgulhe de mim.” – Fonte: NY Post




O clipe de Pink para “Just Like Fire” é um dos vídeos com temática MK Ultra mais explicitos já lançados. Como trilha sonora do filme “Alice Através do Espelho”, o vídeo confirma o carinho da Disney com o controle mental Monarca.

Se alguém sabe um pouquinho sobre controle mental Monarca (veja mais em: A Programação Monarca: As Origens e Técnicas de Controle Mental), o vídeo de “Just Like Fire” da Pink é uma exposição flagrante desse simbolismo. Ele segue a mesma narrativa e utiliza as mesmas imagens como inúmeros outros vídeos analisados neste blog, provando mais uma vez que há um esforço sustentado em expor os jovens a este mundo doentio.

No vídeo, Pink encontra-se perdida no país das maravilhas para então ser levada para uma instituição mental – à força. Através de imagens de controle mental, o vídeo descreve simbolicamente que Pink está sendo dissociada e programada por um manipulador. Em suma, tudo sobre esse vídeo está diretamente ligado ao controle mental Monarca. 

Alice no País das Maravilhas + Disney = Controle Mental

“Just Like Fire” é o primeiro single da trilha sonora de “Alice Através do Espelho” – um filme da Disney que certamente contem um monte de simbolismo MK. Como indicado no artigo sobre Controle Mental Monarca mencionado acima, o objetivo final é fazer com que o escravo dissocie após ter sido submetido a um trauma intenso e insuportável. 

Manipuladores incentivam esse comportamento submetendo os escravos a um “script de programação”, uma história que vai orientar o jovem escravo através da programação. Um script comum usado é o de “Alice no País das Maravilhas” de Lewis Carroll, uma história que pode perfeitamente ser aplicada ao sofrimento de um escravo MK/Monarca.

Da mesma maneira que Alice segue um coelho branco através do espelho para entrar no estranho país das maravilhas, escravos seguem seus manipuladores através da programação para alcançar a dissociação completa. No conto de fadas, Alice entra em um mundo de fantasia onde tudo é mágico, invertido e instável, um lugar semelhante ao mundo interno do escravo, onde tudo pode ser modificado pelo manipulador. Portanto, em simbolismo MK, “País das Maravilhas” representa o estado de espírito de um escravo dissociado de mente controlada, o lugar para onde eles “escapam” da dor do trauma. 

Em suma, a história de “Alice no País das Maravilhas” – e outras que são semelhantes – é usada em cenários reais de controle mental.
Ao longo dos anos “O Mágico de Oz”, “Alice no País das Maravilhas”, e “Mamãe Gansa” parecem ter sido os favoritos (de manipuladores de controle mental). A criança vai ficar muitas vezes em estado de transe quando essas histórias forem contadas. As crianças terão as histórias repetidas e se espera que elas memorizem esses scripts. Porque os programadores vão construir sobre a consciência da criança essas histórias, e as histórias são modificadas para se ajustar melhor à programação futura. – Fritz Springmeier, The Illuminati Formula To Create a Mind Control Slave
Como dito acima, os programadores modificam as histórias para se encaixarem na programação e as adaptações de histórias clássicas da Disney fazem exatamente isso.
É por isso que os filmes da Disney e os outros programas são tão importantes para os programadores. Eles são uma ferramenta hipnótica perfeita para fazer a mente da criança dissociar-se na direção certa. Os programadores têm utilizado filmes desde praticamente o primeiro dia para ajudar as crianças a aprender os scripts hipnóticos. Para as crianças eles precisam ser parte do processo hipnótico. Se o hipnotizador permitir que a criança faça as suas próprias imagens, as sugestões hipnóticas serão mais fortes. Em vez de dizer a criança a cor de um cão, o programador pode perguntar à criança. É daí que os livros e filmes mostrados para as criança ajudam a guiar a sua mente na direção certa. Se o hipnotizador falar a uma criança, ele deve tomar cuidado extra para não alterar o tom de sua voz e ter transições suaves. A maioria dos filmes da Disney são usados para fins de programação. Alguns deles são projetados especificamente para o controle mental.  – Idem
Um exemplo flagrante da Disney em adaptar histórias para fins da Programação Monarca é o filme de 1984, “Return to Oz”. Nesse filme extremamente assustador, Dorothy é enviada para uma instituição mental onde ela é, literalmente, eletrocutada “sobre o arco-íris”. Claro, nada disso estava na história original de Oz.

Décadas mais tarde, a Disney ainda está nessa. O vídeo da música “Just Like Fire” ilustra o quanto a Disney está envolvida com simbolismo MK. Nota: Pink recentemente falou sobre a música “Just Like Fire” em uma entrevista no Jimmy Kimmel Live, contrastando o processo de escrever uma música para a Disney com a escrita das músicas em seu álbum, dizendo essencialmente que ela teve muito pouco controle sobre o processo de composição.

Vamos olhar para o videoclipe.

Just Like Fire

“Just Like Fire” interpreta o mundo de Alice no País das Maravilhas de acordo com o Projeto MK ULTRA, onde “ir através do espelho” significa dissociar-se da realidade.

O vídeo começa com as palavras “Disney apresenta”, para que você saiba que essa fábrica de estrelas infantis MK ULTRA ainda existe

O marido da vida real de Pink, Carey Hart, sai da cozinha e vai dar uma olhada em Pink. Ela está fazendo o de sempre, você sabe, apenas pendurada no teto e girando.

Pink está de cabeça para baixo girando dentro de uma sala ricamente decorada

Ambos os pisos e as paredes dessa sala têm o padrão quadriculado dualista. No simbolismo maçônico, o piso quadriculado é a superfície ritualística em que ocorre a transformação oculta… e Pink não é uma estranha para o simbolismo maçônico.

A performance de Pink no VMA de 2009 foi uma iniciação maçônica clara. Seu traje espelhou perfeitamente as roupas de candidatos maçônicos durante suas iniciações: Ela estava com os olhos vendados, o seio esquerdo foi exposto e sua calça na perna esquerda tinha um padrão quadriculado maçônico

De volta à sala de piso quadriculado, Pink começa a girar em alta velocidade. Nesse ponto, uma menina (interpretada pela filha de Pink) emerge e segue uma borboleta pelo espelho.

A menina segue uma borboleta monarca azul através do espelho

Essa série de eventos é puro simbolismo de controle mental Monarca. Pendurada no teto, Pink começa a rodopiar representando a sensação vertiginosa e desorientadora de um trauma. Uma vez que a dissociação ocorre, a menina, que representa a personalidade núcleo de Pink, aparece e segue uma borboleta monarca, que representa diretamente a programação Monarca. A borboleta atrai a menina através do espelho ao país das maravilhas – a terra da dissociação.

No País das Maravilhas, Pink se encontra em um tabuleiro de xadrez, enquanto sua persona núcleo (a menina) continua a correr atrás da borboleta (seguindo o roteiro da programação)

O padrão quadriculado lembra a sala em que Pink estava girando, o que implica que ela ainda está naquela sala, mas se dissociou. Devido as suas poderosas propriedades dualistas, esse padrão é usado em programação MK real.

Esta pintura feita pela sobrevivente de controle mental, Kim Noble, descreve uma menina chorando sobre um piso quadriculado dualista. Tudo sobre esta pintura refere-se ao conceito de dualidade durante a programação MK que induz à divisão da personalidade do escravo. Para saber mais, veja: O Mundo do Controle Mental Através dos Olhos de uma Artista com 13 Alter-Egos

No tabuleiro de xadrez do país das maravilhas, há uma personagem de Pink vestida em trajes dualistas

Em um jogo de xadrez contra si mesma, Pink desempenha o papel de todas as peças,
 incluindo o “Rei” que usa uma “coroa de espinhos” e que convenientemente esconde um de seus olhos, ilustrando mais uma vez que tudo isso é sobre simbolismo MK

Essa cena representa o que acontece com os escravos após a dissociação: A separação dessa persona.
A percepção de formas naturalmente desenvolvida pela criança é aproveitada quando giram a criança e a fazem sentir como se ela fosse cair. A criança também será privada de sono e drogada. Tudo isso junto irá fornecer a base dissociativa para dividir a personalidade núcleo.  – Idem
Esta cena descreve visualmente a divisão da persona (preto e branco), enquanto outra persona de Pink está vestida de vermelha dança (o vermelho representando a cor do sacrifício)

Pink e sua filha, em seguida, tomam chá com o Chapeleiro Maluco.

Pink (e sua persona núcleo) estão flutuando no ar, aludindo à sensação de leveza sentida por escravos dissociados

Pink, em seguida, cai e encontra-se paralisada enquanto flutua acima das flores, representando a impotência de escravos dissociados (e intoxicados). A borboleta da programação voa, e a menina a segue

Tempo (o vilão com o bigode) se esconde por perto, olhando para a menina – a persona núcleo

No vídeo, Tempo desempenha o papel do manipulador que entra na psique do escravo dissociado para programá-lo.

O sinal do Um Olho no pôster do filme permite que você saiba que Tempo representa a elite oculta

Tempo finalmente encontra a personalidade núcleo e oferece-lhe um relógio

Quando o manipulador toca a personalidade núcleo do escravo, um colapso completo ocorre. O vídeo mostra claramente esse processo de maneira bastante gráfica.

Pink sai imediatamente do País das Maravilhas (dissociação) e é levada à força para uma instituição mental, enquanto veste uma camisa de força

Durante o colapso de Pink, um monte de imagens assustadoras piscam na tela, incluindo o rosto irritado do vilão Tempo. Embora o manipulador pareça agradável durante dissociação, ele é na verdade um psicopata sádico na vida real

O vídeo termina com o marido de Pink assinando o termo e perguntando se ela vai ficar “bem”… enquanto ela está sendo forçosamente arrastada para uma instituição mental

"Obrigado" Disney, por essa história edificante de dissociação e colapso mental. As crianças vão adorar.

O Script/Roteiro para as Massas 

Da mesma forma que os escravos MK seguem um roteiro para a programação e dissociação, as massas são submetidas a um script de programação através da mídia. Na verdade, os leitores deste blog já devem ter reconhecido a mesma narrativa básica em outros vídeos. Por exemplo, “Wide Awake” de Katy Perry (veja a Parte 1 e Parte 2) apresenta Katy com uma menina passando por um espelho.

Katy Perry com uma menina (representando sua persona núcleo) passando por um espelho. O vestido de Perry está cheio de borboletas

Ela se encontra completamente fora de si em uma instituição mental

O vídeo termina com ela segurando uma borboleta

A indústria da música não é sobre “originalidade”. Trata-se de programação.


Conclusão

O vídeo de Pink para “Just Like Fire” é mais um caso que prova que a indústria do entretenimento busca constantemente expor as massas ao mundo do controle mental. Embora “Alice no País das Maravilhas” de Carroll  foi escrito durante o século 19, a Disney adaptou a narrativa para se adequar às necessidades do sistema MKULTRA, um sistema no qual a empresa está diretamente envolvida.

A adição de uma cena em que Pink perde sua cabeça é a maneira de claramente apontar que há mais na história de Alice no País das Maravilhas do que uma simples fantasia da Disney. A história é usada em um assunto específico para normalizar o simbolismo da programação Monarca, enquanto subliminarmente expõe os jovens ao seu processo horrível. Se você não acredita que a Disney e toda a indústria são capazes de tais coisas tortuosas, você infelizmente ainda está vivendo no país das maravilhas.


Tecnologia do Blogger.